Pico do Gigante e Pico do Ovo - O lado esquecido do Parque Nacional de Itatiaia - ano 2000

Há tempos eu vinha sonhando com duas montanhas do Parque Nacional de Itatiaia. Inicialmente apenas admirava elas de longe, olhando por exemplo de cima do Pico de Agulhas Negras. Mais tarde descobri seus nomes: eram os Picos do Gigante e do Ovo. Essas duas montanhas ficavam do outro lado do parque, numa área de difícil acesso, onde provavelmente ninguém chegava a muito tempo. Eu não conhecia ninguém que havia estado naquelas montanhas e, por isso, a única referência que tinha era a carta do IBGE 1:50000.

Assim, no final de junho de 2000, eu e minha amiga Cláudia (Cláudia Vilela, grande companheira de escaladas e caminhadas), aproveitando o feriado do Corpus Christi, fizemos uma linda caminhada, que chamei de Travessia Rebouças-Serrinha.
OBS.: Não conheço registro de que alguém tivesse feito essa travessia antes de nós. Talvez tenhamos sido os pioneiros.


Dia 22/06/2000 - Entramos pela parte alta do parque, passamos pelo Abrigo Rebouças, Vale do Aiuruoca, Ovos de Galinha, seguindo pela trilha da Travessia Rebouças-Mauá. Seguimos por caminho conhecido até o local do “Rancho Caído”. Então deixamos a trilha que continuava em direção à Visconde de Mauá e subimos até o cume do Pico Maromba, à 2619 metros de altitude, onde fizemos nosso primeiro bivaque. Céu estrelado, vento e noite fria, temperatura abaixo de zero...
Dia 23/06/2000 - Lindo amanhecer. O vale abaixo de nós estava branco com a geada. Tempo bastante limpo: lá de cima do Maromba podíamos enxergar até a Serra dos Órgãos e os Três Picos de Salinas (incrível!). Continuamos nossa caminhada: Seguimos descendo pela crista até o cume sul do Maromba (Maromba Sul), onde desviamos diretamente para o Pico Cabeça de Leoa (ou Falso Cabeça de Leão), sem passar pelo Cabeça de Leão. Continuamos descendo pela crista e, ao final, subimos até o Pico do Gigante. Observamos que ainda faltava um longo caminho abrindo trilha para chegarmos no Pico do Ovo, o que não seria possível fazermos agora. Então, descemos um pouco pela crista em direção à Serrinha, até escurecer. Bivacamos em cima de um bloco de pedra meio inclinado. Passamos a noite sem água (nossa água já tinha acabado).
Dia 24/06/2000 - Descemos pela crista. Por volta do meio dia chegamos num riacho, onde pudemos matar nossa sede. Mais um pouco de caminhada de chegamos na civilização: Passamos pelo bairro da Serrinha, seguimos caminhando pela estrada de terra até conseguir uma carona que nos levou a Penedo. Pegamos uma van para Resende e então um ônibus para São Paulo.

No feriadão de 7 de setembro, fiz uma nova tentativa de chegar do Pico do Ovo, dessa vez com meu amigo Pedro Teixeira:
Dia 07/09/2000 – Descemos do ônibus na Rodovia Dutra às 2:00 da madrugada. Estava chovendo. Dormimos na varanda de um boteco que estava fechado. Acordamos às 5:30 e começamos a pedir carona. Após longa espera conseguimos uma carona até a Garganta do Registro e depois outra até a parque alta do parque. Conforme subimos acima das nuvens, o tempo foi abrindo, a chuva parando e o sol aparecendo. Caminhamos até o Pico Maromba, seguimos pela crista e subimos o Pico Cabeça de Leão. Enchemos nossas garrafas d’água num pequeno lago e pouco adiante paramos na encosta do Pico Cabeça de Leoa. Bivacamos em cima de uma laje de pedra. Caíram algumas gotas de chuva, mas não chegaram a incomodar.
Dia 08/09/2000 - Durante a noite as nuvens baixaram e o tempo limpou. Acordamos no dia seguinte com os sacos de dormir cobertos pela geada. Subimos o Pico Cabeça de Leoa e seguimos até o Gigante. A neblina não nos deixava enxergar o Pico do Ovo. Tentamos abrir um caminho para descer o Gigante em direção ao Ovo, mas terminamos numa pendente rochosa bastante inclinada. Voltamos para o Gigante e fizemos nosso bivaque ao lado de uma parede de pedra. Novamente caíram algumas gotas de chuva durante a noite, que não chegaram a incomodar, pois a parede de pedra nos protegia.
Dia 09/09/2000 - Tempo nublado, porém com nuvens mais altas. Pudemos enxergar o Pico do Ovo e traçar um caminho melhor. Começamos a abrir trilha na mata. Encontramos um campo de bromélias, cuja água ajudou a matar nossa sede. Mais algumas horas abrindo trilha e chegamos numa nascente (água!!). Seguimos mais um pouco, mas já estava ficando tarde. Precisamos voltar para nosso local de bivaque.
Dia 10/09/2000 - O feriadão estava terminando e tínhamos que voltar. Descemos pela crista até a Serrinha. Caminhamos ainda pela estradinha até conseguir uma carona até Penedo.

Duas semanas depois, num final de semana, eu, o Pedro e a Claudia fomos mais uma vez tentar chegar no Pico do Ovo. Dessa vez subimos a partir da Serrinha:
Dia 23/09/2000 - Saímos à meia noite de São Paulo e fomos de carro até a Serrinha. Começamos a caminhar às 4:30. Ainda estava escuro. Subimos até o Gigante em 6 horas de caminhada. Continuamos pelo caminho que tínhamos aberto na semana anterior e a partir daí seguimos então abrindo trilha em direção ao Pico do Ovo. No final da tarde voltamos para o Gigante, no nosso local de bivaque.
Dia 24/09/2000 - Acordamos cedo. Seguimos pela trilha que já tínhamos aberto e continuamos abrindo trilha até o Pico do Ovo, onde chegamos às 9:30. Haviam alguns bilhetes dentro de latinhas perto do cume: fazia mais de quinze anos que ninguém chegava lá (pelo o que pudemos entender o acesso antigamente era feito para partir da parte baixa do parque – Sede). Deixamos um livro de cume para registro. Ficamos 2 horas lá em cima, apreciando a paisagem. Comemoramos o aniversário da Cláudia em grande estilo. Depois voltamos para o Gigante e descemos para a Serrinha, onde pegamos o carro e voltamos para São Paulo.

Segue a lista das montanhas que subimos nessas viagens:

- Pico Maromba 2619m (Serra do Marimbondo, RJ; 22/Junho/2000)
- Pico Maromba Sul 2479m (Serra do Marimbondo, RJ; 23/Junho/2000)
- Pico Cabeça de Leoa (ou Falso Cabeça de Leão) 2483m (Serra do Marimbondo, RJ; 23/Junho/2000)
- Pico do Gigante 2190m (Serra do Alambari, RJ; 23/Junho/2000)
- Pico Cabeça de Leão 2430m (Serra do Marimbondo, RJ; 07/Setembro/2000)
- Pico do Ovo 2085m (Serra do Alambari, RJ; 24/Setembro/2000)


Detalhe da carta do IBGE 1:50000. Indiquei os picos e deixei o trajeto tracejado na carta.

Obs.: Pontos para pegar água:

- Riacho na base do Pico Maromba ("Rancho Caído");

- Poças d'água entre os picos Cabeça de Leão e Cabeça de Leoa;

- Nascente no colo entre o Gigante e o Ovo;

- Riacho pouco acima da Serrinha.

Foto: Roberto Lacaze no cume do Pico Maromba (2619m). Ao fundo, da esquerda para a direita: Pico de Prateleiras, Pedra da Coroa, Pico de Agulhas Negras, Asa de Hermes e Pedra do Sino de Itatiaia.

Foto: Pôr-do-sol no cume do Pico Maromba. No horizonte, vê-se a sombra do maciço de Itatiaia projetada no céu.

Foto: Cláudia Vilela descendo pela crista a partir do Pico Maromba. À esquerda está o Pico Cabeça de Leoa (2483m). Ao fundo, mais abaixo, vê-se o Pico do Gigante (2190m).



Foto: Roberto Lacaze descendo pela crista a partir do Pico Cabeça de Leoa. Ao fundo, vê-se o Pico do Gigante e imediatamente à direita, mais abaixo, aparece a ponta do Pico do Ovo.


Foto: Roberto Lacaze no cume do Pico do Gigante (2190m).

Foto: Pico do Ovo (2085m), à direita, e o Pico do Gigante (2190m), à esquerda, vistos da crista que liga o Gigante à Serrinha.

Foto: Pedro Teixeira abrindo trilha entre o Gigante e o Ovo. Nesse momento encontramos uma nascente que matou nossa sede.


Foto: Roberto Lacaze abrindo trilha entre o Gigante e o Ovo. Ao fundo pode-se ver o Pico do Ovo.

Foto: Pico do Ovo (2085m), à direita, e o Pico do Gigante (2190m), à esquerda, vistos da crista que liga o Gigante à Serrinha.


Foto: Pico do Ovo (2085m), à direita, e o Pico do Gigante (2190m), à esquerda, vistos da crista que liga o Gigante à Serrinha.

Foto: Cláudia Vilela e Pedro Teixeira no cume do Pico do Ovo (2085m). Acreditamos que fazia mais de quinze anos que ninguém chegava lá, e provavelmente passarão outros tantos anos até que alguém volte.

Foto: O maciço de Itatiaia visto do cume do Pico do Ovo. Ao fundo, da esquerda para a direita: Pico de Prateleiras, Morro do Couto, Pico de Agulhas Negras, Pedra do Sino de Itatiaia e Pico Cabeça de Leão.

Foto: O Pico do Gigante (2190m) visto do cume do Pico do Ovo. À direita, vê-se a crista que desce em direção à Serrinha.


Texto e fotos: Roberto Lacaze

24 comentários:

  1. Olá, Roberto
    Meu nome é Osvaldo e também sou fã da região
    Parque do Itatiaia-Serra da Mantiqueira. Costumo caminhar mais lá pros lados da Serra da Vargem Grande, onde tenho uma casa, mas tenho o maior fascínio por essa vertente mais "rara" do Parque do Itatiaia,que você descreve (Pedra Cabeça de Leão, Pico Maromba etc...).Também fico de olho naquela área, quando subo as Agulhas Negras, só que nunca fui pra aquelas bandas, embora já tenha feito a travessia Agulhas-Mauá, pelo Rancho Caído .Quero parabenizar você e sua turma pela conquista do Pico do Ovo. Acabo de me cadastrar no seu blog pra acompanhar as novidades. Se quiserem fazer uma caminhada lá pelo lado mineiro (Pedra Grande, Pedra furada,Serra Negra etc..)tão convidados .
    Abraço
    Osvaldo

    ResponderExcluir
  2. Olá Oswaldo,
    Agradeço seu comentário! Também sou um apaixonado pela Serra da Mantiqueira. E agradeço seu convite... eu gostaria muito de conhecer a região da Serra da Vargem Grande. Um dia irei com certeza! Porém, atualmente estou um pouco longe: Vim morar por um tempo na Espanha.
    Aqui também tem belas montanhas e pedras... Mas já estou com saudades das montanhas brasileiras!
    Abraço,
    Roberto

    ResponderExcluir
  3. Nova postagem, com mais informações sobre outras montanhas do maciço de Itatiaia... Veja no link a seguir:

    http://robertolacaze.blogspot.com/2009/07/as-montanhas-de-itatiaia-parque.html

    Boas caminhadas e escaladas!

    ResponderExcluir
  4. Olá Roberto!! Gostaria de fazer umas perguntas sobre o Pico do Maromba...

    marcelo@humanlabor.com.br

    Abração cara
    Parabéns pelas caminhadas!

    ResponderExcluir
  5. Fala Roberto, meus parabéns pelas conquistas desses picos (Gigante e Ovo) e pela roto Rebouças-Serrinha! Moro em Resende e sempre fui fascinado por esses picos. O pai da minha ex-namorada atingiu o cume do Gigante e Ovo no final dos anos 70 e as histórias dele sempre me estigaram rs. Estou com idéia de subir o Gigante e tentar fazer esta travessia sentido Serrinha-Mauá via Rancho Caído, pq o Parque proíbe andar por essas bandas. Eu não escalo, mas sou amante do montanhismo (trekking). Gostaria de saber se esses picos são acessíveis sem escalar, a questão da água pelo caminho e por onde entro nesta trilha pela Serrinha do Alambari? Obrigado pela atenção e informações.

    ResponderExcluir
  6. Esqueci meu e-mail é rodrigonatrilha@yahoo.com.br
    Valeu!

    ResponderExcluir
  7. Fala Rodrigo,
    Essa região é linda!
    Para subir o Gigante ou o Ovo não é necessário escalar. Apenas caminhar. Mas o acesso não é fácil...
    Não sei como estão as condições da trilha que sobe do bairro da Serrinha até o Gigante. Já fazem 10 anos que fui lá e talvez as coisas tenham mudado. Basicamente, a trilha começava onde acabava a estrada de terra, no bairro da Serrinha (tente perguntar para as pessoas de lá). O começo da trilha pode ser um pouco confuso, com algumas bifurcações. Mas após algum tempo a caminhada se tornará mais íngreme, subindo por uma crista, e o caminho vai se tornando mais óbvio. Bem acima, terá uma passagem entre alguns grandes blocos de pedra, que pode causar alguma confusão. Siga sempre buscando os vestígios de trilha, pois teoricamente em toda a subida até o Gigante havia uma trilha razoavelmente marcada. Havia um espaço para acampamento abaixo de uma parede, um pouco abaixo do cume do Gigante.
    Do Gigante em diante acredito que a coisa complica (caso ninguém tenha feito essa caminhada nos últimos anos). A partir da crista oeste do Gigante, vc pode seguir rumo sul, em direção ao Ovo (1 ou 2 dias abrindo trilha com facão); ou seguir rumo norte, em direção ao Pico Maromba (talvez 1 dia abrindo trilha com facão, até chegar na parte mais alta, onde há capim, por onde se sobe em mais meio dia de caminhada até o Pico Maromba).

    Os pontos com água são poucos (portanto leve bastante água na mochila):
    - Riacho na base do Pico Maromba ("Rancho Caído");
    - Poças d'água entre os picos Cabeça de Leão e Cabeça de Leoa;
    - Nascente entre o Gigante e o Ovo (caso você queira ir para o Ovo);
    - A trilha passa por um riacho, pouco acima da Serrinha.

    É isso aí! Boa sorte e boa caminhada!
    Depois, se possível, escreva aqui no blog, contando como foi! Beleza?
    Abraço

    ResponderExcluir
  8. Fala Roberto, obrigado pelas informações. Minha última dúvida é, quando esta na Serrinha, chega-se a pracinha central do bairro onde tem uma escola e um bar-mercearia de esquina. Existem duas estradas, uma que segue em frente passando a esquerda do bar e outra que vira pra direita passando em frente ao bar indo em direção ao Camping Clube do Brasil. Qual dessas estradas eu pego? Estou com idéia primeiro de fazer um ataque até o gigante num final de semana e voltar. Você acha que essa área de camping comporta quantas barracas? E última dúvida, você tem esta trilha em GPS? Se tiver me manda por e-mail. Obrigado pela atenção e informações disponibilizadas, valeu!

    ResponderExcluir
  9. Rodrigo, respondendo tuas perguntas:

    - Fui 3 vezes no Gigante. Duas foram a partir da parte alta do parque e somente desci por essa trilha até a Serrinha. E apenas 1 vez fui subindo e descendo pela Serrinha. E além do mais, isso foi 10 anos atrás... Portanto, realmente não me lembro dos detalhes de onde a trilha começa. Porém, dando uma olhada no Google Earth, me parece que as coordenadas do ponto de início são:
    22graus 23’ 50.22’’S
    44graus 33’ 55.18’’O
    Dê uma olhada no Google Earth, pois pode ajudar. Naquela época, quando fui lá, não existia essa ferramenta;

    - Legal a idéia de primeiramente fazer um ataque somente ao Gigante, para reconhecimento;

    - Acredito que na área que eu falei que dá para acampar, cabem umas duas ou três barracas;

    - Não tenho a trilha em GPS. Naquela época eu não tinha nenhuma informação a respeito da trilha. Então, tomei base somente na Carta do IBGE (imagem em anexo, acima), o que não ajuda muito...

    É isso aí! O “desconhecido” faz parte da aventura... Faça algumas explorações e logo vc estará conhecendo bem o lugar. E depois conte como foi!

    Namastê!

    ResponderExcluir
  10. Olá Roberto, tudo bem? Meu nome é Carlos Lessa e sou montanhista e guia da Unicerj (www.unicerj.org.br).

    Parabéns pelo blog. É uma das poucas fontes de informações sobre a parte "esquecida" do PNI.

    Cheguei aqui procurando informações sobre o Pico do Maromba, cujo cume fiquei "namorando" ao fazer recentemente a travessia Rebouças-Mauá.

    Mas confesso que fiquei interessado mesmo foi nessa travessia Rebouças-Serrinha e no Pico do Gigante. Dei uma olhada no Google Earth e tentei identificar essa crista em que você desce do Gigante pra Serrinha, que você menciona aí em cima. É a primeira crista logo "acima" (ao norte) do Gigante ou a 2a., que fica um pouco mais pra cima?

    Tirei um "printscreen" da tela do Google Earth, mas não sei como faço pra te mandar por e-mail. Você pode me infomar? O meu é:

    cadu.lessa@gmail.com

    Se você puder dar um retorno, ficaria muito grato.

    Abraços,
    Carlos Lessa

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Cadu,
      Legal que curtiu o blog...

      Então, na verdade a crista desce exatamente para o leste do cume do Gigante.

      O caminho é o seguinte:
      Risque uma linha praticamente reta da localidade que indiquei na Serrinha até o cume do Gigante.

      Faz 12 anos que estive lá, então muita coisa deve ter mudado. Quando passei por lá essa trilha Gigante-Serrinha já estava aberta (não fui eu quem abriu essa trilha!). Na época não havia nenhuma marcação com fitas. Na parte alta tivemos que nos orientar apenas observando os sinais de mato e terra pisados, etc. Já na parte baixa havia uma trilha bem definida.
      O caminho é mais ou menos assim: Saindo da Serrinha havia uma trilha bem marcada (mas ao que me lembre havia algumas bifurcações, então se oriente pelo rumo a seguir, basicamente sentido leste-oeste. Inicialmente o caminho é uma subida bem suave pela floresta rumo à crista do Gigante. E aos poucos o caminho ficará mais íngreme. Conforme for subindo, vc estará no lado esquerdo do vale, ou seja, poderá escutar o barulho do rio à sua direita. Atingindo a crista o rumo se torna mais obvio, ou seja, siga subindo pela crista. No entanto a trilha ficava menos marcada (observe sempre os rastros de mato e terra pisados, galhos quebrados, etc.). A vegetação aí já não será mais de floresta e sim mais arbustiva. Vc passará por um labirinto de grandes blocos de rocha, que formam uma pequena gruta. Esse trecho pode causar confusão, tem que "farejar" o caminho. Bom, a partir daí cada vez mais a crista estará mais definida, beirando um precipício à sua esquerda.

      É isso aí! Boa caminhada!
      Abs,
      Roberto

      Excluir
    2. Olá Roberto! Muito interessante saber de alguém q subiu esses picos. Em 1989 eu fiz a travessia Serrinha-Gigante-Cabeça Leoa-Mauá, e estava só. Creio que deva ter sido o primeiro paulista a subi-lo. Na ocasião esse pico era frequentado pelo pessoal do GEAN. Em 2011 estive por lá duas vezes, primeiro em um bate-e-volta (de 4 dias rss..)pelo planalto até o Gigante e em junho refazendo a travessia a partir da Serrinha. Esta tudo registrado no livro de cume do Gigante, com registros da minha primeira ascensão e da recente. Posso garantir que há décadas ninguém fazia a travessia a partir do planalto, pois a mata estava absolutamente intacta. A partir da Serrinha, em 2010 houve umas 3 ascensões. Lembro-me de ter lido um relato de alguém que fez a travessia pelo planalto, mas um pouco depois da minha. Achei curioso voce nao ter comentado sobre o livro de cume, voce chegou a encontra-lo? Abç, Angelo.

      Excluir
    3. Olá Angelo,
      Muito interessante também saber da sua caminhada de 89, pois até então não tinha ouvido nenhum relato de mais alguém que tivesse atravessado o trecho Gigante - Planalto.
      Então... conforme relatei acima, em 2000 fiz duas vezes a travessia Rebouças - Serrinha, passando pelo Gigante. E ainda em 2000, estive uma terceira vez no Gigante, dessa vez subindo e descendo a partir da Serrinha. Nesta última vez conseguimos chegar também no Ovo. Fazia um bom tempo que ninguém chegava lá no Ovo. Você sabe de alguém que já tivesse feito esse trecho Gigante - Ovo ? Acho que antigamente se subia o Ovo pela face sul, não?
      Não sei se de 2000 para cá alguém mais esteve lá no Ovo. Você sabe?

      Bom, quanto ao livro de cume do Gigante, deixei o registro lá nas 3 vezes, em 2000. Inclusive, em uma das fotos acima estou em pé bem no cume, na pedra onde está o livro.

      Boas caminhadas! E mande notícias dessas montanhas fantásticas sempre que passar por lá!
      Valeu!
      Abraço,
      Roberto

      PS.: Tem uma galera precisando de dicas atualizadas dessa caminhada (vide os comentários que deixaram acima). Se puder colaborar com alguma info, será muito bem vinda. Fique a vontade para escrever. Valeu!

      Excluir
    4. Roberto, nas oportunidades que estive por lá acabei nao tentando o Ovo por absoluta falta de tempo, pois certamente seria pelo menos mais um dia inteiro de vara-mato, imaginei. Sei que o Santiago e uma moça, q nao me recordo o nome, chegaram ao Ovo, creio que pela crista q desce direto do Ovo para a Serrinha, vertente do rio Alambari, que eles nomearam de Via Sul, tem até uma plaquinha de metal do Gigante comemorando a conquista, mas isso é coisa de décadas (nao me recordo a data). Além dele soube que outros membros do Gean frequentavam o Ovo na época, mas isso na década de 80. Afora essas mençoes antigas, nao soube de ninguém, nem vi qualquer vestígio de passagem em direçao ao Ovo a partir do Gigante e igualmente de alguem vindo do planalto: tudo parecia absolutamente virgem, nem vestigio de faconadas antigas tinha pelo caminho.. Em 2010 tentei refazer a tal Via Sul pela crista q dá no Ovo, muita ralaçao e sem sucesso. Abs

      Excluir
    5. É... no cume do Ovo lembro que encontramos uma série de bilhetes com algumas assinaturas. As mais recentes eram da década de 80.
      Realmente é um lugar muito pouco frequentado... Estivemos lá em 2000, e de lá para cá é bem possível que ninguém tenha ido novamente.
      No cume do Ovo fizemos um pequeno totem com umas pedras e deixamos embaixo um livro. Fico curioso para saber se ainda está lá...
      Abrimos uma trilha do Gigante até o Ovo ("Via Norte"). E na verdade era mais que um simples "vara-mato", dá pra se dizer que era uma "trilha" mesmo. Porém, isso foram 12 anos atrás... E os bambuzinhos crescem rápido... Hoje certamente já não há nenhum vestígio.

      Valeu por deixar seus relatos aqui, Angelo. E quando fizer alguma nova investida por aquelas bandas, escreva contando.
      Abraço!

      Excluir
  11. Oi Roberto tudo na paz?
    Meu nome é Luís Salgado sou morador da cidade de Volta Redonda e trabalho em Resende, sou frequentador do planalto do Itatiaia desde 1996 quando subi pela primeira vez o pico das Agulhas Negras, já realizei algumas das travessias, todo ano na boa temporada do inverno estou por lá me aventurando por aquelas belas e magicas montanhas, a região do Gigante sempre me chamou a atenção mas nunca conheci ninguém que houvesse andado por aquelas bandas, mas visitando o seu blog a pouco mais de um ano, me animei a aventurar-se por lá, pretendo este ano quando passar a época das chuvas realizar a aventura, o meu plano inicial e subir através da Serrinha chegando ao Gigante pretendo ir ate o Ovo, mas os meus planos e não voltar pela mesma trilha e sim a partir do Ovo traçar uma trilha de escape, descendo para Serrinha pela tal antiga via Sul seguindo a nascente o rio Alambari ou tentar ir em direção a parte baixa do PNI.
    Será que consigo passar pelo Gigante e alcançar o cume do Ovo em um dia? existe local de bivaque no Ovo ou próximo?
    Enfim estou pesquisando mais a respeito dessas montanhas e a aventura esta lançada, eu e mais dois amigos estamos animados para realizar esse feito.

    se puder me ajudar com mais alguma informação desde já agradeço, meu E-mail é lrs.salgado@yahoo.com.br

    Um grande abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Luis,
      Vcs certamente vão gostar! O Ovo é um dos pontos mais remotos e bonitos de Itatiaia.
      A idéia de voltar por outro caminho tornará a aventura mais ousada... Legal!
      Caso vcs optem pela descida via parte baixa do PNI, acredito que terão que seguir em direção aos Três Picos. O problema será sair pela parte baixa sem ter incomodação.

      Quanto às tuas perguntas:
      Alcançar o cume do Ovo em 1 dia dependerá das condições da trilha, mas acho que é possível sim.
      Quando estive por lá em 2000 a trilha até o Gigante estava legal, mas do Gigante até o Ovo não havia nenhum vestigio de que alguém tivesse algum dia passado por lá. Ou seja, tivemos que abrir caminho na mata.
      E de lá pra cá é bem possível que ninguém tenha ido ao Ovo. Ou seja, vá preparado pra ter que abrir novamente todo o caminho entre o Gigante e o Ovo.
      Conte umas 6h da Serrinha ao Gigante, subindo bem tranquilo. E acredito que em umas 4h vcs conseguem abrir todo o caminho do Gigante ao Ovo.
      Ou seja, num longo dia de trabalho é possível sim chegar no Ovo.
      Mas também caso não dê por algum motivo, não tem problema, pois não é difícil fazer um bivaque na mata entre o Gigante e o Ovo. As melhores opções que vejo para esse bivaque seriam ou na nascente (no meio do caminho Gigante-Ovo), ou já no Ovo mesmo (pouco abaixo do cume acho que tem umas lajes de pedra onde dá pra bivacar).

      Bom, é isso aí, boa caminhada pra vcs!!
      Qualquer outra dúvida avise, no que eu puder ajudar estou à disposição.

      Ah! E depois escreva contando como foi a empreitada!

      Abraço,
      Roberto

      Excluir
  12. Olá Roberto, no mês passado estive numa trip exploratoria com alguns amigos na região do Itatiaia, a ideia era sair de Serrinha, Gigante, varar mato até o ovo, 3 picos, depois encontrar a trilha oficial, e tentar sair pelo parque.... mas tinhamos somente 5 dias disponiveis que era mais que suficiente, mas o mato estava tãoooo fechado que o avanço do gigante ao ovo foi super lento, com muito bambuzal e um emaranhado de vegetação rasteira.... Agora a trilha já está aberta !!! kkkkk. Hoje um amigo meu me mandou este link do seu blog, e tomei conhecimento dele.... que massa !!!!!!! Estou aqui devorando todas as informações de vcs de tantos anos atras, hehehehehe

    Seguem nossas fotos pra vc dar uma olhada de como está por lá agora....rs
    https://picasaweb.google.com/108071881949914249746/5DiasTravessiaTrilhaExploratoriaNoRJ

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Vivi,
      Que legal! Então vcs foram até o Ovo!
      Desde que estive por lá em 2000 é a primeira vez que tenho notícia de que alguém tenha chegado lá. Muito bacana!
      Realmente é um mato bem fechado, trabalhoso de passar. Mas o esforço vale a pena!
      Na época também abrimos uma trilha bem marcada. Mas aqueles bambuzinhos crescem bem rápido. Acho que se ficar meio ano sem que ninguém vá, já fecha tudo de novo.

      Queria te fazer algumas perguntas:

      Vcs encontraram algum vestígio de que alguém mais tenha estado lá no Ovo de 2000 para cá?

      Eu tinha deixado um caderno de cume bem no topo do Ovo? Ainda está lá ou será que voou com o vento?

      Não entendi direito: Então vcs acabaram retornando pelo mesmo caminho ao invés de tentar seguir até os 3 picos?

      E como está a trilha Serrinha-Gigante, está bem aberta?

      E para acessar o início da trilha na Serrinha? Está tranquilo?

      Abraços!
      Roberto

      Excluir
  13. Oi Roberto, tudo bem?
    Sou a Vivi, falamos acima, rsrsrs.
    Conversei com o pessoal aqui, e o Fábio escreveu o relato sobre nossa ida até o Gigante e Ovo ... por opção de todos omitimos alguns detalhes, rs, mas acho que dá pra ter ideia de como está a "trilha". Sinceramente, se não me falha a memória, foi a melhor "investida" que estive presente nos ultimos tempos :)Fantastico.

    Fotos: https://picasaweb.google.com/108071881949914249746/5DiasTravessiaTrilhaExploratoriaNoRJ

    Relato:
    http://fslzonadeconforto.blogspot.com.br/2013/07/conquista-do-pico-do-gigante-2180-mts-e.html

    ResponderExcluir
  14. Oi Roberto, tudo bem? Muito legal este blog! Me ajudou muito!
    Recentemente, eu consegui o pico do ovo saindo da parte baixa do PNI. Não encontramos livro no cume, somente duas placas, uma de 1975 (Sr Zincan) e a outra de 1988 (via Santiago). Vimos a trilha chegando do gigante quase no cume.
    Este ano eu fiz também o gigante duas vezes saindo da Serrinha. Uma delas foi um bate e volta num dia com 12 horas de caminhada! Eu tenho o track log dessas aventuras e do Gorila também.
    Eu gostaria de fazer a travessia Maromba Gigante. Como é? Tem que abrir muito ou a vegetação é baixa? Tem um rio a atravessar? é complicado?
    De novo parabéns e muito obrigado pelas dicas. Abraços. Tonio.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Tonio, parabéns pelas caminhadas! Muito legal!
      A travessia Maromba-Gigante é muito bonita, também vale a pena a investida.

      Dá uma olhada na imagem da carta do ibge que eu coloquei acima, com o caminho que fizemos em pontilhado. Seguindo essa rota, não há nenhum rio complicado de cruzar. O único ponto de água está entre o Cabeça de Leão e Cabeça de Leoa. É um charco com algumas poças d'água, uma nascente. Lugar legal pra se abastecer.
      Caso queira evitar o charco, a opção mais seca é seguir sempre pela crista, sem passar pelo Cabeça de Leão. Ou seja, quando chegar naquele ponto que chamei de "Maromba Sul", desça no rumo Sudeste / Leste.
      Mas acho que vale o passeio gastar uma horinha a mais e ir conhecer o Cabeça de Leão, e depois enfrentar o charco (que não foi tão dificil de passar).

      Quanto à vegetação:
      Do Maromba até depois do Cabeça de Leoa é tudo capim. Descendo o Leoa pela crista a vegetação vai aos poucos ficando mais alta até que chegando no trecho final, realmente fecha, aí vc terá que abrir com o facão (se é que ninguém tem passado por lá ultimamente). Lembro que tinha umas passagens em meio a uns blocos de pedra, escondidos no meio da vegetação. Esse trecho descendo até a garganta é o mais complicado. Depois que começar a subir novamente, rumo ao Gigante, aos poucos a vegetação vai facilitando. E quando alcança a crista do Gigante fica bem tranquilo.

      Boa caminhada!
      Depois mande noticias como foi!
      Abraços

      Excluir
  15. Ola Roberto, muito legal os seus comentarios.
    Vou te mandar os track log que eu ja tenho e depois te conto a aventura.
    Grande abraço.

    ResponderExcluir
  16. Olá, eu gostaria muito desses tacklogs moro aqui na região e sempre tive vontade de ir nesses picos que são os que são visíveis a partir aqui do vale.

    ResponderExcluir